Siga-nos
  • Facebook
  • Twitter
  • Youtube
  • Linkedin

Para obter o arquivo em XLS
Clique Aqui.

Sumário

Premissas

O presente Guia de Modelagem é baseado nas seguintes premissas:

Dados a partir do 1º trimestre de 2008
Atualização: trimestral
Padrão contábil: IFRS
Unidades de volume: Toneladas Métricas (1 tonelada métrica = 1,1 tonelada curta)
Metodologia de contabilização de custos: Custo Médio
Informações de dívida: incluem as debêntures da Gerdau

Moeda funcional: R$ (Para as empresas no exterior, as contas de Resultado são convertidas pelo câmbio médio do trimestre e as de Balanço pelo câmbio final do trimestre).

Operações de negócio:
Brasil: Inclui operações no Brasil (exceto aços especiais) e a operação de carvão metalúrgico e de coque na Colômbia.
América do Norte: Inclui todas as operações na América do Norte, exceto as do México e as de aços especiais.
América Latina: Inclui todas as operações na América Latina, exceto as operações do Brasil e a operação de carvão metalúrgico e de coque na Colômbia.
Aços Especiais: Inclui as operações de aços especiais no Brasil, na Espanha, nos EUA e na Índia.

Observações:
1. A partir do 1T12, a operação de carvão metalúrgico e de coque na Colômbia, que anteriormente era reportada na ON América Latina, passou a ser consolidada na ON Brasil. A mudança é decorrente da decisão estratégica de integrar essa operação de carvão e coque com a usina Açominas, devido a sua crescente importância no fornecimento de carvão metalúrgico para essa usina. Para efeitos de melhor comparação o histórico foi corrigido desde o 1T11.
2. A partir do 1T12, com o objetivo de alinhar esse documento às demonstrações financeiras apresentadas nos mercados brasileiro e americano, os comentários apresentados passam a segregar as transações ocorridas entre as Operações de Negócio, apontadas nas tabelas na linha de "Eliminações e ajustes", bem como as despesas corporativas da Companhia, que anteriormente eram reportadas na ON Brasil. Para efeitos de melhor comparação, o histórico foi corrigido desde o 1T11.
3. As informações desse guia não consolidam as participações da Gerdau nas joint-ventures e empresas de controle compartilhado, considerando as mesmas através do método de equivalência patrimonial - Guatemala (Corporación Centroamericana del Acero), República Dominicana (Inca), México (Corsa) e EUA (Gallatin).

 

Processos de produção (cargas metálicas)

Processos Produtivos - Fluxograma:

Semi-integrada (mini-mill): representa aproximadamente 75% do negócio

Integrada (alto-forno): representa aproximadamente 25% do negócio

Composição dos principais insumos para a produção de uma tonelada de aço

Obs.: Referências de mercado com valores teóricos aproximados em plantas siderúrgicas, que podem variar dependendo da especificação do produto e da qualidade das matérias-primas e não se aplicam diretamente nas plantas da Gerdau.

  Forno elétrico Integrada
Sucata1 0,9 t -
Ferro gusa sólido1 0,3 t -
Minério de Ferro - 1,6 t
Carvão2 - 0,8 t
Coque - 0,6 t
Energia Elétrica 400 kWh/t -

1 Produtos complementares para formação da carga fria de 1,2t. Essa composição pode ser ajustada de acordo com a disponibilidade e preço dessas matérias-primas, respeitando uma utilização máixma de Ferro Gusa de 40%.
2 Ratio somente para referência. O carvão será utilizado para produção de coque no processo.


 
Capacidade de Produção

Mil toneladas métricas

AÇO BRUTO Dez-13
Total 25.680
ON Brasil 9.100
Mini-mill 4.600
Integrada 4.500
ON América do Norte 9.870
ON América Latina 2.740
ON Aços Especiais 3.970
Brasil 1.430
EUA 1.320
Espanha 970
Índia 250
LAMINADOS Dez-13
Total 23.400
ON Brasil 6.340
ON América do Norte 9.380
ON América Latina 3.170
ON Aços Especiais 4.510
Produção

Mil toneladas métricas

AÇO BRUTO 2T11 3T11 4T11 1T12 2T12 3T12 4T12

1T13

2T13 3T13 4T13
AÇO BRUTO 2T11 3T11 4T11 1T12 2T12 3T12 4T12 1T13 2T13 3T13 4T13
Total 5.124 5.018 4.732 4.940 5.046 4.747 4.186 4.410 4.646 4.507 4.446
ON Brasil 1.970 2.007 1.874 1.751 1.825 1.925 1.702 1.708 1.771 1.794 1.691
ON América do Norte 1.802 1.726 1.670 1.899 1.841 1.735 1.425 1.474 1.640 1.457 1.549
ON América Latina 446 428 414 470 518 444 408 426 429 444 426
ON Aços Especiais 906 857 774 820 862 644 651 802 806 812 780
 
LAMINADOS 2T11 3T11 4T11 1T12 2T12 3T12 4T12 1T13 2T13 3T13 4Q13
Total 4.178 4.210 3.982 4.217 4.201 3.959 3.447 3.682 4.078 3.922 3.820
ON Brasil 1.182 1.248 1.164 1.140 1.143 1.213 1.019 1.069 1.219 1.232 1.094
ON América do Norte 1.598 1.630 1.574 1.744 1.714 1.637 1.329 1.385 1.541 1.430 1.501
ON América Latina 549 537 523 596 577 496 444 527 529 532 520
ON Aços Especiais 849 795 721 737 767 614 655 700 789 729 704
Vendas Físicas

Mil toneladas métricas

 
  2T11 3T11 4T11 1T12 2T12 3T12 4T12 1T13 2T13 3T13 4T13
Total 4.897 4.849 4.709 4.725 4.778 4.774 4.317 4.555 4.634 4.775 4.556
ON Brasil 1.958 1.932 1.940 1.778 1.916 1.791 1.814 1.808 1.768 1.913 1.792
Nacional 1.288 1.380 1.242 1.269 1.418 1.339 1.294 1.417 1.506 1.544 1.417
Exportação 670 552 698 509 498 452 520 391 262 369 375
ON América do Norte 1.681 1.631 1.607 1.752 1.593 1.768 1.359 1.516 1.545 1.608 1.476
ON América Latina 644 711 649 671 685 705 647 646 726 720 716
ON Aços Especiais 798 734 692 698 731 625 603 667 766 713 711
Eliminações e ajustes (184) (159) (179) (174) (147) (115) (106) (82) (171) (179) (138)

Composições históricas aproximadas das vendas por setor de atividade nas 2 maiores operações de negócios:
Obs.: Podem variar conforme o mercado.

Operação Brasil %
Construção Civil 55-60
Indústria 40-45
Agropecuária 0-5
Operação América do Norte %
Construção civil (infraestrutura) 30-35
Construção civil (não residencial) 40-45
Indústria 25-30
Outros 5-10
Operação Aços Especiais %
Automotivo (veículos leves) 40
Automotivo (veículos pesados) 40
Indústria (óleo, gás e energia) 20

Principais Produtos

ON Brasil: vergalhão, barra, fio-máquina, perfil, trefilado, tarugo, bloco, placa e perfil estrutural.
ON América do Norte: vergalhão, barra, fio-máquina e perfil estrutural leve e pesado.
ON América Latina: vergalhão, barra e trefilado.
ON Aços Especiais: aço inoxidável, barra redonda, barra chata e quadrada e fio-máquina.


 
Investimentos
 
AQUISIÇÕES* 2T11 3T11 4T11 1T12 2T12 3T12 4T12 1T13 2T13 3T13 4T13
US$ Milhões                      
Total - - - - - - - - - - -
ON Brasil - - - - - - - - - - -
ON América do Norte - - - - - - - - - - -
ON América Latina - - - - - - - - - - -
ON Aços Especiais - - - - - - - - - - -

* Inclui dívidas de empresas adquiridas no período

 
CAPEX 2T11 3T11 4T11 1T12 2T12 3T12 4T12 1T13 2T13 3T13 4T13
R$ Milhões                      
Total 340 614 674 691 850 904 683 571 635 675 677
ON Brasil 237 465 473 432 555 594 337 332 411 395 391
ON América do Norte 30 50 59 82 71 90 113 101 49 84 107
ON América Latina 50 37 51 39 43 58 58 39 49 50 36
ON Aços Especiais 23 62 91 138 181 162 175 99 126 146 143

Plano de Investimentos

O plano de investimentos em ativo imobilizado para o período de 2013 a 2017 está estimado em R$ 8,5 bilhões, contemplando investimentos estratégicos e para manutenção.


 
Plano de Investimentos
Plano de Investimentos - Principais Projetos Localização Capacidade adicional de produção (1.000t) Início operação
ON Brasil
Laminadores de chapas grossas na usina Ouro Branco - MG Brasil 1.100 2016
Aumento de capacidade e logística de mineração para 18 milhões de toneladas2 Brasil - 2016
Aumento de capacidade de mineração para 24 milhões de toneladas2 Brasil - 2020
Laminador de fio-máquina e vergalhões na usina Cosigua - RJ1, 2 Brasil 600 2016
Nova aciaria na usina Riograndense4 Brasil 650 2016
ON América do Norte
Aumento de capacidade por novo lingotamento continuo na usina de St Paul - Minnesota5 EUA 550 2014
ON América Latina
Nova aciaria no México (Gerdau Corsa)3 México 1.000 2014
Novo laminador de perfis estruturais no México (Gerdau Corsa)3 México 700 2015
Expansão de capacidade de aço bruto nas usinas da Colômbia Colômbia 400 2016
Expansão de capacidade de aço laminado nas usinas da Colômbia Colômbia 450 2016
ON Aços Especiais
Ampliação da capacidade de laminação na usina de Mogi das Cruzes - SP Brasil 60 2014
Segunda linha de inspeção de barras Brasil - 2014
Coqueria e planta de geração de energia Índia - 2015
Novo lingotamento contínuo e forno de reaquecimento na usina de Pindamonhangaba - SP Brasil - 2016
Aumento de capacidade de aço, laminados e acabamentos na usina de Monroe2 EUA 300 2014

1 Para atender esse laminador será reativado um dos fornos elétricos na aciaria.
2 Investimento com aprovação em fases.
3 Por se tratar de uma empresa de controle compartilhado, a capacidade não será considerada no consolidado.
4 A aciaria atual será substituída (450 mil toneladas de capacidade)
5 O lingotador atual será substituído (450 mil toneladas)

Dívida
 
R$ milhões 4T11 1T12 2T12 3T12 4T12 1T13 2T13 3T13 4T13
CURTO PRAZO 1.757 1.928 2.971 3.093 2.583 3.333 1.770 1.769 1838
Moeda nacional 821 808 1.003 1.022 652 552 382 435 492
Moeda estrangeira 243 280 333 485 469 774 295 272 262
Empresas no exterior 693 840 1.635 1.585 1.462 2.007 1.093 1.062 1084
LONGO PRAZO 11.927 11.533 11.921 11.875 12.086 11.610 13.889 14.022 14.868
Moeda nacional 2.383 2.309 1.947 1.866 2.240 2.123 1.964 2.506 2.927
Moeda estrangeira 6.462 6.242 6.855 6.551 6.422 6.261 8.500 8.146 8.724
Empresas no exterior 3.082 2.982 3.119 3.458 3.424 3.226 3.425 3.370 3.217
DÍVIDA BRUTA (principal+juros) 13.684 13.461 14.892 14.968 14.669 14.943 15.659 15.791 16.707
Juros da dívida     (383) (339) (308) (417) (344) (339) (391)
DÍVIDA BRUTA (principal)     14.509 14.629 14.361 14.526 15.315 15.452 16.316
APLIC. FINANCEIRAS 4.578 3.435 3.165 2.999 2.497 1.832 2.972 3.512 4.222
Moeda nacional 3.587 2.424 2.296 1.987 1.617 1.110 1.877 1.920 2.142
Empresas no exterior 991 1.011 869 1.012 880 722 1.095 1.592 2.080
DÍVIDA LÍQUIDA (principal) 9.105 10.026 11.344 11.630 11.864 12.694 12.343 11.941 12.094
DÍVIDA BRUTA POR MOEDA
Real 3.204 3.118 2.943 2.889 2.892 2.675 2.345 2.941 3.418
Dólar Norte-Americano 10.000 9.866 11.247 11.131 10.838 11.177 12.510 12.027 12.420
Euro 122 131 148 133 120 135 135 163 117
Demais moedas 358 346 554 815 819 956 669 660 752
DÍVIDA BRUTA (principal) - VENCIMENTO DO LONGO PRAZO
2015 959
2016 592
2017 4.058
2018 503
2019 e após 8.756

PRINCIPAIS COVENANTS

Dívida Líquida (principal) / EBITDA < 4 vezes
EBITDA / Despesas Financeiras > 3 vezes

 
CUSTO DA DÍVIDA
Moeda Nacional 8,6%
Moeda Estrangeira 5,9% + VC
Empresas no Exterior 6,1%
* A partir do 2T12 se refere ao principal da dívida líquida
Net Investment Hedge
 
      set/13 dez/13 Variação Cambial
    US$ RS$ RS$ RS$
Dívida total   3.640 8.117 8.527 (410)
R$/US$     2,2300 2,3426  
  Linha Correspondente no
Resultado Trimestral
      Impacto no DRE 
Parcela da dívida com
Net Investment Hedge
  2.600      
Parcela da dívida sem
Net Investment Hedge
Variação cambial sobre hedge
de investimento líquido
1.040 2.319 2.436 (117)
Efeito da variação cambial
no imposto
IR/CS sobre hedge de
investimento líquido
      117

Com base em normas do IFRS, até o 1T12 a Companhia designou a maior parte das dívidas em moeda estrangeira contratadas pelas empresas no Brasil como hedge de parte dos investimentos em controladas no exterior. Como consequência, o efeito da variação cambial dessas dívidas foi reconhecido integralmente no patrimônio líquido, enquanto que o efeito fiscal (imposto de renda e contribuição social) foi reconhecido no resultado. A partir do 2T12, com o objetivo de neutralizar a volatilidade no lucro líquido, uma vez que o imposto de renda incide sobre o total da variação cambial das dívidas a partir do Brasil, a Companhia optou por alterar o valor da designação do hedge dessas dívidas. Desta forma, a variação cambial sobre o montante de US$ 2,6 bilhões continuará sendo reconhecida no patrimônio líquido, enquanto que a variação cambial sobre a parcela de US$ 1,0 bilhão passou a ser reconhecida no resultado.

Demonstrativos
 
DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO 3T11 4T11 1T12 2T12 3T12 4T12 1T13 2T13 3T13 4T13
R$ milhões
Receita líquida de vendas 8.967 9.066 9.199 9.975 9.819 8.898 9.166 9.882 10.494 10.321
Custo das vendas (7.628) (7.865) (8.093) (8.550) (8.621) (7.969) (8.257) (8.50) (8.960) (8.971)
Lucro bruto 1.339 1.201 1.106 1.425 1.198 1.018 908 1.342 1.534 1.350
MARGEM BRUTA 15% 13% 12% 14% 12% 11% 10% 14% 15% 13%
Despesas com vendas, gerais e administrativas (591) (642) (599) (635) (630) (607) (635) (636) (672) (669)
Outras Receitas (Despesas) Operacionais 24 32 32 9 3 20 51 14 5 108
Resultado da equivalência patrimonial 5 (22) 31 (14) (3) (6) 17 (1) 18 19
Lucro antes do resultado financeiro e dos impostos 777 569 570 785 568 425 341 719 886 808
Resultado Financeiro Líquido (58) (82) (97) (335) (134) (222) (192) (548) (206) (355)
Lucro antes dos impostos 719 487 473 450 434 203 149 171 679 453
Provisão para imposto de renda e contribuição social (6) (15) (76) 99 (26) (60) 11 230 (37) 39
LUCRO LÍQUIDO DO PERÍODO 713 472 397 549 408 143 160 401 642 492
Participação dos controladores 707 439 370 536 389 131 148 390 595 450
Participação dos não-controladores 6 33 27 13 19 12 12 11 47 42
                     
Depreciação 437 456 438 459 465 465 464 477 528 561
EBITDA 1.215 1.025 1.008 1.244 1.033 891 805 1.196 1.413 1.370
MARGEM EBITDA 14% 11% 11% 12% 11% 10% 9% 12% 13% 13%
 
BALANÇO PATRIMONIAL 3T11 4T11 1T12 2T12 3T12 4T12 1T13 2T13 3T13 4T13
ATIVO
CIRCULANTE 17.263 17.319 16.871 18.171 17.546 16.410 15.909 16.807 17.399 18.177
Caixa, equivalentes de caixa e aplicações financeiras 4.366 4.578 3.435 3.165 2.999 2.497 1.832 2.972 3.512 4.222
Contas a receber de clientes 4.108 3.603 4.003 4.510 4.276 3.695 4.450 4.126 4.441 4.079
Estoques 7.853 8.059 8.372 9.366 9.125 9.022 8.537 8.551 8.197 8.500
Outros 936 1.079 1.061 1.130 1.146 1.196 1.909 1.158 1.249 1.376
NÃO CIRCULANTE 32.164 32.663 32.757 35.175 36.052 36.683 35.898 38.249 38.809 40.296
IR e CS diferidos 1.436 1.548 1.636 2.099 2.144 2.210 1.728 2.095 2.165 2.315
Investimentos 1.384 1.355 1.425 1.579 1.436 1.426 1.344 1.492 1.497 1.590
Ágios 9.054 9.156 8.956 9.870 9.952 10.033 9.838 10.753 10.844 11.353
Intangível 1.279 1.274 1.255 1.350 1.346 1.364 1.341 1.431 1.456 1.498
Imobilizado 16.882 17.295 17.443 18.406 19.289 19.690 19.623 20.473 20.807 21.419
Outros 2.129 2.035 2.042 1.871 1.885 1.960 2.024 2.005 2.040 2.121
TOTAL DO ATIVO 49.427 49.982 49.628 53.346 53.598 53.093 51.807 55.056 56.208 58.473
PASSIVO
CIRCULANTE 6.452 6.777 6.666 8.251 8.070 7.823 7.883 6.731 6.949 7.211
Fornecedores 3.171 3.212 3.229 3.527 3.326 3.060 3.020 3.303 3.289 3.271
Financiamentos 1.611 1.715 1.884 2.971 2.756 2.324 3.180 1.770 1.742 1.811
Outros 1.670 1.850 1.553 1.753 1.987 2.439 1.683 1.658 1.918 2.129
NÃO CIRCULANTE 16.344 16.685 16.220 16.674 16.643 16.472 15.449 17.861 18.123 18.999
Financiamentos 11.913 11.182 10.874 11.297 11.571 11.726 11.304 13.454 13.622 14.481
IR e CS diferidos 1.851 1.859 1.769 1.764 1.750 1.796 1.242 1.306 1.284 1.446
Benefícios a empregados 828 1.090 1.035 1.007 1.016 1.188 1.148 1.169 1.204 942
Outros 1.752 2.554 2.542 2.606 2.305 1.762 1.755 1.932 2.013 2.130
PATRIMÔNIO LÍQUIDO 26.631 26.520 26.742 28.421 28.886 28.798 28.475 30.464 31.136 32.264
Capital social 19.249 19.249 19.249 19.249 19.249 19.249 19.249 19.249 19.249 19.249
Reservas e outros 5.861 5.749 5.972 7.661 8.073 7.997 7.768 9.298 9.954 11.090
Participações minoritárias 1.521 1.522 1.521 1.511 1.563 1.552 1.458 1.917 1.933 1.925
TOTAL DO PASSIVO 49.427 49.982 49.628 53.346 53.598 53.093 51.807 55.056 56.208 58.474
CÂMBIO
Câmbio médio 1,64 1,80 1,77 1,96 2,02 2.06 1,98 2,07 2,29 2,27
Câmbio final 1,85 1,88 1,82 2,02 2,03 2.04 2,01 2,22 2,23 2,34
Resultados por operação
 
Em R$ milhões 3T11 4T11 1T12 2T12 3T12 4T12 1T13 2T13 3T13 4T13
RECEITA LÍQUIDA 8.967 9.066 9.199 9.975 9.819 8.988 9.166 9.882 10.494 10.321
ON Brasil 3.606 3.558 3.220 3.724 3.567 3.589 3.458 3.679 3.986 3.988
Nacional 2.869 2.629 2.623 2.997 2.931 2.792 3.000 3.234 3.457 3.229
Exportação 737 929 597 727 636 797 458 445 529 759
ON América do Norte 2.676 2.817 3.141 3.184 3.415 2.709 2.925 3.092 3.443 3.102
ON América Latina 1.039 1.068 1.149 1.274 1.322 1.219 1.144 1.332 1.426 1.464
ON Aços Especiais 1.868 1.863 1.855 2.070 1.750 1.713 1.813 2.122 2.045 2.044
Eliminações e Ajustes (222) (240) (166) (277) (235) (242) (175) (343) (406) (277)
                     
LUCRO BRUTO 1.339 1.201 1.107 1.425 1.198 1.018 908 1.342 1.534 1.350
ON Brasil 631 563 427 610 715 717 530 776 1.005 906
ON América do Norte 292 216 335 351 223 88 171 187 147 138
ON América Latina 113 145 114 113 58 44 95 139 162 169
ON Aços Especiais 294 246 238 339 207 184 118 241 222 133
Eliminações e Ajustes 9 31 (7) 12 (5) (15) (6) (1) (2) (2)
                     
EBITDA 1.215 1.025 1.008 1.244 1.033 891 805 1.196 1.413 1.370
ON Brasil 618 531 411 589 691 703 509 748 982 989
ON América do Norte 306 187 330 328 205 59 148 158 129 140
ON América Latina 79 95 92 70 (3) 21 53 109 131 135
ON Aços Especiais 296 246 260 362 233 218 155 276 273 205
Eliminações e Ajustes (84) (34) (85) (105) (93) (110) (60) (95) (102) (99)
                     
DEPRECIAÇÃO 437 456 438 459 465 465 464 476 528 561
ON Brasil 214 211 203 185 191 189 193 191 211 227
ON América do Norte 103 112 106 117 122 126 115 119 133 149
ON América Latina 30 34 38 42 40 34 41 46 50 49
ON Aços Especiais 90 99 91 115 112 116 115 120 133 136
Eliminações e Ajustes 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
 
CÂMBIO
Câmbio médio 1,64 1,80 1,77 1,96 2,02 2,06 1,98 2,07 2,29 2,27
Custos de Produção
 
% dos custos de produção 3T11 4T11 1T12 2T12 3T12 4T12 1T13 2T13 3T13 4T13
GERDAU CONSOLIDADO
Pessoal 14 15 14 15 15 17 16 15 17 18
Manutenção 5 6 6 5 6 7 6 6 7 7
Depreciação 5 5 4 4 5 5 5 5 5 5
Metálicos 54 53 55 55 53 50 51 52 50 50
Energéticos e Redutores 14 13 13 13 13 13 14 14 13 12
Materiais Específicos 8 8 8 8 8 8 8 8 8 8
ON Brasil
Pessoal 15 17 16 17 15 18 18 18 18 19
Manutenção 6 7 7 7 6 6 6 6 6 7
Depreciação 7 7 7 6 6 7 7 6 7 7
Metálicos 42 39 40 41 44 40 37 39 39 39
Energéticos e Redutores 23 24 24 23 23 23 24 23 23 21
Materiais Específicos 7 6 6 6 6 6 8 8 7 7
ON América do Norte
Pessoal 12 12 11 13 14 16 14 11 16 17
Manutenção 4 5 4 4 5 7 7 7 9 9
Depreciação 3 3 3 3 3 4 3 3 3 5
Metálicos 66 66 69 66 62 58 61 64 57 56
Energéticos e Redutores 7 6 5 6 7 7 7 7 7 6
Materiais Específicos 8 8 8 8 9 8 8 8 8 7
ON América Latina
Pessoal 12 12 11 10 12 12 11 11 11 11
Manutenção 5 5 5 5 6 6 5 5 5 5
Depreciação 3 3 4 3 3 3 3 3 3 3
Metálicos 62 64 65 66 65 64 67 68 66 66
Energéticos e Redutores 13 11 10 10 9 9 9 8 9 9
Materiais Específicos 5 5 5 6 5 6 5 5 6 6
ON Aços Especiais
Pessoal 17 19 19 19 20 22 20 20 19 21
Manutenção 6 7 7 6 7 7 6 6 6 6
Depreciação 4 5 4 4 5 5 5 5 5 5
Metálicos 54 50 51 52 47  45 49 47 46 45
Energéticos e Redutores 9 9 9 9 10  10 9 11 12 12
Materiais Específicos 10 10 10 10 11  11 11 11 12 11
GLOSSÁRIO
Pessoal Custo de Pessoal e Consultorias.
Metálicos Sucata, Gusa, Minério, Coque e Ligas Metálicas.
Energéticos e Redutores Carvão, Energia Elétrica, Gás Natural, Óleo Combustível e Oxigênio.
Materiais Específicos Refratários, Eletrodos, Cilindros, Roletes, Guias, Carburantes e Cal.
Perguntas Frequentes

Clique na dúvida para acessar o documento com a respectiva resposta.

Mais detalhes Onde localizar a informação no site da Gerdau
Desconto de holding Metalúrgica Gerdau S.A. e Gerdau S.A. Site Gerdau1 - Investidores - Banner Desconto de Holding
Resultados Trimestrais Site Gerdau1 - Investidores - Informações Financeiras - Resultados Trimestrais
Detalhes Dívida Site Gerdau1 - Investidores - Informações Financeiras - Demonstrações Financeiras Consolidado (nota explicativa de endividamento: NOTA 14 - EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS)
Capacidade por Usina Site Gerdau1 - Investidores - Informações Financeiras - Arquivo SEC (20-F no item 4.D - IMOBILIZADO - Página 45)
Contingências da Gerdau S.A.: créditos de ICMS, decorrentes, principalmente, de vendas de mercadorias a empresas comerciais exportadoras e sobre IRPJ e CSLL referente a lucros no exterior. Site Gerdau1 - Investidores - Informações Financeiras - Relatórios CVM - Demonstrações Financeiras Consolidadas - Gerdau S.A Consolidado (NOTA 17 - PROVISÃO PARA PASSIVOS TRIBUTÁRIOS, CÍVEIS E TRABALHISTAS, item II) Passivos contingentes não provisionados, itens A.1 e A.4
1Site Gerdau - www.gerdau.com

Declaração

Este guia de modelagem é baseado em dados históricos e públicos. Não visa dar guidance (estimativas ou projeções) de eventos futuros, com exceção da melhor estimativa que a empresa tem, neste momento, para o seu programa de investimentos e amortização de dívida. As estimativas e premissas constantes nesse trabalho estão sujeitas a riscos, incertezas e suposições, que incluem, entre outras: condições gerais econômicas, políticas e comerciais no Brasil e nos mercados onde atuamos e regulamentações governamentais existentes e futuras. Possíveis investidores são aqui alertados de que dados passados não são base para garantia de futuro desempenho, pois envolvem riscos e incertezas. A empresa não assume, e especificamente nega, qualquer obrigação de atualizar quaisquer previsões, que fazem sentido apenas na data em que foram feitas.